Supply Chain Management

[Conceitos Básicos]   [Informações Adicionais]
 

Responsável: Prof. Sílvio R. I. Pires
Envie comentários ou sugestões para o responsável

Conceitos Básicos

Fontes : Pires, S.R.I ; Porter, M ; Vollman, T.E. & Cordon, C.(vide informações adicionais)

Introdução

Supply Chain Management (SCM - Gestão da Cadeia de Suprimentos) tem representado uma nova e promissora fronteira para empresas interessadas na obtenção de vantagens competitivas de forma efetiva e pode ser considerada uma visão expandida, atualizada e, sobretudo, holística da administração de materiais tradicional, abrangendo a gestão de toda a cadeia produtiva de uma forma estratégica e integrada. SCM pressupõe, fundamentalmente, que as empresas devem definir suas estratégias competitivas e funcionais através de seus posicionamentos (tanto como fornecedores, quanto como clientes) dentro das cadeias produtivas nas quais se inserem. Assim, é importante ressaltar que o escopo da SCM abrange toda a cadeia produtiva, incluindo a relação da empresa com seus fornecedores e clientes, e não apenas a relação com os seus fornecedores.

SCM também introduz uma importante mudança no paradigma competitivo, na medida em que considera que a competição no mercado ocorre, de fato, no nível das cadeias produtivas e não apenas no nível das unidades de negócios (isoladas), como estabelece o tradicional trabalho de PORTER (1980). Essa mudança resulta num modelo competitivo baseado no fundamento de que atualmente a competição se dá, realmente, entre "virtuais unidades de negócios", ou seja, entre cadeias produtivas. Atualmente, as mais efetivas práticas na SCM visam obter uma "virtual unidade de negócio", providenciando assim muito dos benefícios da tradicional integração vertical, sem as comuns desvantagens em termos de custo e perda de flexibilidade inerentes à mesma. Uma virtual unidade de negócios é então formada pelo conjunto de unidades (geralmente representadas por empresas distintas) que compõe uma determinada cadeia produtiva, conforme ilustra a Figura 1. Uma unidade de negócios pode então participar de diversas virtuais unidades de negócios, como é o caso, por exemplo, de várias empresas de autopeças que atuam em virtuais unidades de negócios lideradas por grandes montadoras.
  Figura 1: Competição entre "Virtuais Unidades de Negócios"

Em termos práticos, o modelo enfatiza que cada unidade dessa virtual unidade de negócios deve se preocupar com a competitividade do produto perante o consumidor final e com o desempenho da cadeia produtiva como um todo. Isso acarreta numa necessidade de gestão integrada da cadeia produtiva, requerendo um estreitamento nas relações e a criação conjunta de competências distintas pelas unidades (empresas) da mesma. Por exemplo, o modelo de consórcio modular, implementado pela VW e sete fornecedores de autopeças na nova fábrica de caminhões e chassis de ônibus da montadora também pode ser usado para ilustrar o conceito de virtual unidade de negócios. Na nova planta, a parte final da cadeia produtiva foi concentrada num único local para, sobretudo, dar mais competitividade a uma virtual unidade de negócios dentro do negócio (business) de caminhões e chassis de ônibus (COLLINS et al. 1997; PIRES, 1998 a; PIRES 1998 b).

 

Objetivos e Práticas da Supply Chain Management

Um objetivo básico na SCM é maximizar e tornar realidade as potenciais sinergias entre as partes da cadeia produtiva, de forma a atender o consumidor final mais eficientemente, tanto através da redução dos custos, como através da adição de mais valor aos produtos finais (VOLLMANN & CORDON, 1996). Redução dos custos tem sido obtida, através da diminuição do volume de transações de informações e papéis, dos custos de transporte e estocagem, e da diminuição da variabilidade da demanda de produtos e serviços, dentre outros. Mais valor tem sido adicionado aos produtos, através da criação de bens e serviços customizados, do desenvolvimento conjunto de competências distintas; através da cadeia produtiva e dos esforços para que, tanto fornecedores como clientes, aumentem mutuamente a lucratividade.

Práticas eficazes na SCM têm sido implementadas em todo mundo, as quais têm visado a simplificação e obtenção de uma cadeia produtiva mais eficiente. Resultados positivos têm sido obtidos principalmente através de procedimentos como os listados abaixo.

· Reestruturação e consolidação do número de fornecedores e clientes:

Significa reestruturar (geralmente através de redução) o número de fornecedores e clientes, construindo e aprofundando as relações de parceria com o conjunto de empresas com as quais, realmente, se deseja desenvolver um relacionamento colaborativo e com resultado sinérgico.

· Divisão de informações e integração da infra-estrutura com clientes e
fornecedores:

A integração de sistemas de informações/computacionais e a utilização crescente de sistemas como o EDI (Electronic Data Interchange), entre fornecedores, clientes e operadores logísticos têm permitido a prática, por exemplo, da reposição automática do produto na prateleira do cliente (Efficient Consumer Response). Tais práticas têm proporcionado, sobretudo, trabalhar com entregas just-in-time e diminuir os níveis gerais de estoques. Também, a utilização de representantes permanentes (In plant representatives) junto aos clientes tem facilitado, dentre outras coisas, um melhor balanceamento entre as necessidades do mesmo e a capacidade produtiva do fornecedor, bem como uma maior agilidade na resolução de problemas.

· Desenvolvimento conjunto de produtos:

O envolvimento dos fornecedores desde os estágios iniciais do desenvolvimento de novos produtos (Early Supplier Involvement) tem proporcionado, principalmente, uma redução no tempo e nos custos de desenvolvimento dos mesmos.

· Considerações logísticas na fase de desenvolvimento dos produtos:

Representa a concepção de produtos que facilitem o desempenho da logística da cadeia produtiva, geralmente também envolvendo a escolha de um operador logístico eficiente para administrar a mesma;

· Integração das estratégias competitivas na cadeia produtiva:

Implica na compatibilização da estratégia competitiva e das medidas de desempenho da empresa à realidade e objetivos da cadeia produtiva como um todo.

Outsourcing na Cadeia de Suprimentos

Um outro conceito importante na SCM é o de "outsourcing", o qual começou com áreas tidas como periféricas (como a de informática) e agora chega a áreas como manufatura, manutenção, distribuição e marketing. Outsourcing é uma prática em que parte do conjunto de produtos e serviços utilizados por uma empresa (na realização de uma cadeia produtiva) são providenciados por uma empresa externa, num relacionamento colaborativo e interdependente. A empresa fornecedora desenvolve e continuamente melhora a competência e a infra-estrutura para atender o cliente, o qual deixa de possuí-los total, ou parcialmente. O cliente continua, entretanto, mantendo uma estreita e colaborativa integração com o fornecedor. É importante notar que a visão contemporânea de outsourcing vai além das práticas rotuladas de "sub-contratação" ou "terceirização", freqüentemente conduzidas no Brasil nos últimos anos. Outsourcing significa, essencialmente, a opção por uma relação de parceria e cumplicidade com um ou mais fornecedores da cadeia produtiva, numa decisão tipicamente estratégica, abrangente e de difícil reversão. Por sua vez, sub-contratação (ou terceirização) tem significado apenas um negócio, uma decisão operacional, mais restrita e relativamente de mais fácil reversão.

Nos últimos anos o interesse pela SCM tem crescido muito no mundo e no Brasil. Os avanços têm sido muito significativos tanto na área de serviços como na manufatura. Nesta última, onde reside o interesse do NUMA, os maiores desenvolvimentos têm ocorrido na indústria automobilística, a qual tem sido uma das principais responsáveis pela introdução das práticas mais inovadoras e efetivas na área.

 

Informações Adicionais - última verificação 11/11/1999     (voltar para início da página)

Pires, S.R.I - Supply Chain Management

Referências Bibliográficas (do texto)

COLLINS, R.S.; BECHLER, K.; PIRES, S.R.I. (1997); Outsourcing in the Automotive Industry: From JIT to Modular Consortia. European Management Journal, Vol. 15, No. 5.

PIRES, S.R.I. (1998 a); Gestão da Cadeia de Suprimentos e o Modelo de Consórcio Modular, Revista de Administração-USP, Vol. 33, No.3.

PIRES, S.R.I. (1998 b); Managerial Implications of the Modular Consortium Model in a Brazilian Automotive Plant, International Journal of Operations & Production Management, Vol. 18, No. 3.

PORTER, M. (1980); Competitive Strategy. New York, Free Press.

VOLLMANN, T.E. & CORDON, C. (1996) ; Making Supply Chain Relationships Work. M2000 Business Briefing, Nº 8, IMD, Lausanne.

Artigos na área

AMATO NETO, J. (1996); Globalsourcing e padrões de fornecimento no complexo automobilístico brasileiro. Anais do 16º ENEGEP, Piracicaba, Outubro.

BALLOU, R. (1997); Business Logistics - Importance and Some Research Opportunities, Revista Gestão & Produção, V. 4, No. 2.

BARROS, L. (1997); A Global View of Industrial Logistics, Gestão & Produção, Vol. 4, n. 2, agosto.

BIDAULT, F. & BUTLER, C. (1995); Buye-Supplier Cooperation for Effective Innovation, M2000 Executive Report, Number 17, September.

BOWERSOX, D. & CLOSS, D. (1997); Brazilian Logistics: A Time for Transition, Revista Gestão & Produção, V. 4, No. 2.

DYER, J. (1996); How Chrysler Created an American Keiretsu, Harvard Business Review, July-August.

GOBBO JÚNIOR, J. A. & PIRES, S.R.I. (1997); Gestão da Cadeia de Suprimentos: um estudo de caso no setor de máquinas rodoviárias. Anais do 17º ENEGEP, Gramado, Outubro.

HARTLEY, J. L.; ZIRGER, B. J.; KAMATH, R. R. (1997); Managing the buyer - supplier interface for on-time performance in product development. Journal of Operations Management, v.15, n.1, p. 57-70.

KANTER, R. M. (1994).  Colaborative advantage: the art of alliances.  Harvard Business Review, p. 96-108, July-August.

LAU, R. & HURLEY, C. (1997); Outsourcing Through Strategic Alliances, Production and Inventory Management Journal, Second Quarter.

MIRANDA, N.G. & CORRÊA, H.L (1996); Uma análise parcial da rede de suprimentos da indústria automobilística brasileira. Revista de Administração-USP, V. 31, No. 1.

RODRIGUES, S.A. & PIRES, S.R.I. Gestão da Cadeia de Suprimentos como um novo modelo competitivo: um estudo empírico. Anais do 17º ENEGEP, Gramado, Outubro, 1997.

SALERMO, et al. (1998); Mudanças e persistências no padrão de relações entre montadoras e autopeças no Brasil , Revista de Administração- USP, Vol. 33, No. 3. 

TWIGG, D. (1997).  A typology of supplier involvement in automotive industry. Coventry-UK Warwick Business School.  (Research Paper, 271)

Livros na área

BOWERSOX, D. & CLOSS, D.(1996); Logistical Management - The Integrated Supply Chain Process, McGraw-Hill, New York, 729p.

CHRISTOPHER, M. (1992); Logistics and Supply Chain Management - Strategies for Reducing Costs and Improving Services, Pitman Publishing, London, 231p.

LAMMING, R. (1993)  Beyond Partnership: Strategies for Innovation and Lean Supply.  United Kingdon: Prentice-Hall, 299p.

MERLI, G. (1994); Comakership - A Nova Estratégia para os Suprimentos, Qualitymark Editora, Rio de Janeiro, 249 p.

NISHIGUSHI, T. (1994).  Strategic Industrial Sourcing: the Japanese Advantage.  New York: Oxford University Press,  318p.

Periódicos com trabalhos na área

Harvard Business Review - http://www.hbsp.harvard.edu/products/hbr/index/html

European management Journal

Production Planning & Control

International Journal of Production & Operation Management

Revista de Administração (RAUSP)

Sloan Management Review - http://web.mit.edu/smr-online/

Dissertações / Teses na área

AMARAL, D. C. (1997);  Colaboração cliente-fornecedor no processo de desenvolvimento de produto: integração, escopo e qualidade do projeto do produto – estudos de caso na indústria automobilística brasileira. São Carlos. 193p.  Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de São Carlos.

AMATO NETO, J. (1993);  Desintegração Vertical / "Verticalização" e o novo padrão de relacionamento entre empresas: o caso do complexo automobilístico brasileiro.  São Paulo, 236 p., Tese (Doutorado), Escola Politécnica da Universidade de São Paulo.

RODRIGUES, S. A. (1998); Gestão da Cadeia de Suprimentos: conceitos, inovações e um estudo empírico. Santa Barbara d`Oeste. 152p. Dissertação (Mestrado), Faculdade de Engenharia Mecânica e de Produção, Universidade Metodista de Piracicaba.

SCARVA DO CARMO, L.F.R.R. (1999); Análise e Perspectivas da Aplicação da Supply Chain Management na Indústria Automobilistica no Brasil. Rio de Janeiro, 85p., Dissertação (Mestrado), Pontifícia Univ. Católica do Rio de Janeiro.

Especialistas

Prof. Sílvio R. I. Pires, Professor NUMA, sripires@sc.usp.br, Professor de Gestão da Produção da UNIMEP, sripires@unimep.br

Prof. Antonio P. S. Ayres, Assessor de Logística – Caterpillar, Professor de Gestão da Produção da UNIMEP, apsayres@unimep.br

Prof. Thomas Vollmann, Production Management Professor, IMD (International Institute for Management Development), Suiça. http://www.imd.ch

Prof. Robert Collins, Production Management Professor, IMD (International Institute for Management Development), Suiça. http://www.imd.ch

Sites relacionados

Supply Chain Management - Publicação on-line de artigos na área. http://www.manufacturing.net/magazine/logistic/pointpgs/webex.htm

Production and Operation Management - Definições de termos ligados ao à área. http://www.pom.edu/pom/

Supply Chain Management Resource Web Page - Publicações e instituições sobre atuante na área
http://www.createcom.com/supply-chain.html#link2

SAPICS (Educational Society for Supply Chain Management) - busca prover educação, informação e conhecimento por meio de cursos, seminários, conferências, visitas à fábricas, venda de material, websites e publicações na área. http://www.sapics.org.za/mission.html

     Retornar para lista de conhecimentos