Fontes: PRASAD, B.; CARTER, D.E.; SYAN, C.S. (vide informações adicionais)

Introdução

O surgimento de novas tecnologias e a crescente complexidade dos produtos, entre outros fatores, resultam em aumento do lead time de desenvolvimento de produtos. No entanto, para se manterem competitivas, as empresas precisam lançar novos produtos em espaços de tempo cada vez menores. Nesse sentido, as empresas  passaram a procurar formas de reduzir seu ciclo de desenvolvimento de produtos. Uma das soluções adotadas pelas empresas, no início dos anos 80, foi o aumento do grau de paralelismo das atividades de desenvolvimento. Atividades que eram realizadas somente após o término e aprovação das atividades anteriores são antecipadas de forma que seu início não dependa dos demorados ciclos de aprovação.

Em 1982 foi iniciado um estudo, conduzido pelo DARPA (Defense Advanced Research Project Agency), sobre formas de se aumentar o grau de paralelismo das atividades de desenvolvimento de produtos. O resultado desse trabalho, publicado em 1988, definiu o termo Engenharia Simultânea, tornando-se uma importante referência para novas pesquisas nessa área.
 

Definição de Engenharia Simultânea

O estudo realizado pelo DARPA definiu Engenharia Simultânea da seguinte forma (WINNER et al., 1988 apud PRASAD, 1996): "Engenharia Simultânea é uma abordagem sistemática para o desenvolvimento integrado e paralelo do projeto de um produto e os processos relacionados, incluindo manufatura e suporte. Essa abordagem procura fazer com que as pessoas envolvidas no desenvolvimento considerem, desde o início, todos os elementos do ciclo de vida do produto, da concepção ao descarte, incluindo qualidade, custo, prazos e requisitos dos clientes." A partir dessa definição surgiram muitas outras. O conceito de Engenharia Simultânea tornou-se muito mais abrangente, podendo incluir a cooperação e o consenso entre os envolvidos no desenvolvimento, o emprego de recursos computacionais (CAD/CAE/CAM/CAPP/PDM) e a utilização de metodologias (DFx, QFD, entre outras). Outras definições de Engenharia Simultânea são:

Todas essas definições continuam válidas. No entanto, a definição de Engenharia Simultânea deve ser adequada à ênfase atual de se modelar os processo de negócio das empresas.

Definição orientada a processos de negócio

Com base nos conceitos de modelagem de processos de negócio, pode-se definir Engenharia Simultânea como sendo a filosofia utilizada no processo de desenvolvimento (ou alteração) de novos produtos, visando:

Esta filosofia toma como base a sinergia entre seus agentes, que devem trabalhar em equipes multifuncionais, formadas por pessoas de diversas área da empresa. Esta equipe deve crescer e diminuir ao longo de sua existência, mantendo sempre um mesmo núcleo de pessoas, que acompanham o desenvolvimento. Durante algumas atividades  devem fazer parte desta equipe clientes e fornecedores, quando se trabalhar no conceito de cadeia de suprimentos, conforme a posição da empresa dentro desta cadeia.  Todo o trabalho desta equipe deve ser suportado por recursos, métodos e técnicas integradas, tais como: QFD, FMEA, Taguchi, etc. Apesar da repetição, deve-se sempre enfatizar que o foco do trabalho deve estar concentrado nas necessidades do cliente. Apesar de longa, essa definição poderia ainda ser considerada incompleta, pois, por exemplo, não citou a melhoria contínua e outros conceitos, que a tornariam muito mais extensa.

É importante ressaltar que todos os elementos da empresa envolvidos nessa definição de Engenharia Simultânea (atividades, informação, organização e recursos) devem ser considerados no modelo do processo de desenvolvimento de produtos. Um exemplo de processo que utiliza a filosofia de Engenharia Simultânea é modelo de referência de desenvolvimento de produtos da Fábrica Integrada Modelo (FIM).

Informações Adicionais - última verificação 11/11/1999   (voltar para início da página)

 Livros

CARTER, D. E.; BAKER, B. S. (1992). Concurrent engineering: the product development environment for the 1990s. Reading, Mass.: Addison-Wesley. ( Disponível na biblioteca da EP - USP ).

PRASAD, B. (1996). Concurrent engineering fundamentals: integrated product and process development. v. 1. New Jersey, Prentice Hall.  ( t: 321 )

PRASAD, B. (1997). Concurrent engineering fundamentals: integrated product development. v. 2 .New Jersey, Prentice Hall. ( t: 326 ) ( Disponível na EESC - USP )

SYAN, C. S.; MENON, U. (1994). Concurrent engineering: concepts, implementation and practice. London, Chapman & Hall. ( Disponível na biblioteca da EP - USP ).

Periódicos

Concurrent Engineering: Research and Applications
http://www.techpub.com/tech/LibraryIndex_Periodicals.asp?qrystrID=201054

O Concurrent Engineering: Research and Applications é um dos principais periódicos sobre Engenharia Simultânea. Nesse site podem ser consultados os índices das edições mais recentes e encontradas informações sobre assinatura e compra de exemplares atrasados. Além disso são fornecidas instruções para o envio de artigos.

Teses

CHIUSOLI, R. F. (1996). Engenharia Simultânea: estudos de casos na indústria brasileira de autopeças. São Carlos. 147p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Carlos.

MUNIZ JUNIOR, J. (1995). Utilizacao da engenharia simultanea no aprimoramento continuo e competitivo das organizacoes:estudo de caso do modelo usado no aviao emb 145 da embraer. São Paulo. 196p. Dissertação (Mestrado) - Escola Politécnica - Universidade de São Paulo. ( Disponível na biblioteca da EP - USP ).

Associações

Society of Concurrent Engineering
http://www.soce.org/

Nesse site podem ser encontrados vários artigos, dados sobre eventos na área, grupos de discussão, entre outras informações sobre Engenharia Simultânea

Concurrent Engineering World Wide Web Server
http://cewww.eng.ornl.gov/

O Concurrent Engineering Center faz parte do Oak Ridge Centers for Manufacturing Technology criado pelo departamento americano de energia (U.S. Department of Energy) para aumentar a competitividade das empresas em vários setores. Nesse site podem ser encontradas informações sobre sistemas computacionais integrados que apoiam a Engenharia Simultânea.